A gravidade atrai os corpos
Quinta-feira, 17 de Novembro de 2005
Missão
Regresso à minha montanha.
Percebo que não é bom sair daqui.
Este é o lugar que condiz com as moléculas do meu corpo.
Este é o lugar da minha genética; é o meu ADN fundador.
Por isso é melhor não sair nunca do habitat natural.

Não é legítimo que não tendo asas queira voar.
Porque se fica sempre com uma ficção do voo.
Porque se toma a parte pelo todo.
Porque se pensa sentir o que se não está preparado para sentir.
Porque o que se sente acaba por ser o dever de sentir.

Independente das divindades há um lugar que a história desenhou para cada objecto.
Não há destino - daí a liberdade - mas há história, passado e memória.
Aqui na montanha dos ciclos infinitos está a minha factual alegria.
E por aqui deverei permanecer para não me perturbar, não perturbar os outros, nem perturbar os ciclos insatisfeitos.

Talvez seja esta a minha missão.
Como a missão que a mais querida das mãos me trouxe.
Um filme repetido, apenas com variações subliminares.
Tudo no seu lugar certo mesmo não sabendo o que é o lugar certo.

Claro que é fácil ver nisto a capitulação.
Nada posso fazer para mudar olhos que não os meus.
Porque eu sei, mal ou bem, que é pouco o que ganha quem ganha.
É muito pouco o que perde quem perde.
É quase invisível o movimento daqueles que se movem.
É quase nada o tudo dos que tudo têm.
É infinitésima a força dos que são fortes.
É um instante o tempo da vida e o que a separa da morte.

Mas é grande o fascínio e o prazer que me são dados pelos infinitamente pequenos pormenores da natureza.

Sísifo


publicado por prólogo às 19:40
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
|

Segunda-feira, 7 de Novembro de 2005
Liberdade
ErnTim.jpg

Ernesto Timor



Em tudo há um lado de dentro e um lado de fora.
O lado de dentro é o lugar onde eu estou.
O meu lado é o lado de dentro.

Entre o lado onde eu estou e o outro lado, o lado de fora,
há, ou poderia haver, uma porta e uma janela.
Quando estou à porta ou à janela,
a olhar o lado de fora,
ou simplesmente a pensar o lado de dentro,
tento que o meu lado, o meu lugar,
seja um lado onde estou bem e onde me sinto eu.

Mas não posso evitar pensar
que estando eu do lado de dentro
poderia não ter nenhuma porta,
ou nenhuma janela,
que me permitisse olhar para o outro lado,
mesmo quando estivesse a pensar o lado de dentro.

E, sendo assim,
arrisco pensar que fora do meu lugar,
afastado de mim pela espessura mínima da opacidade,
possam estar outros lados de fora que me são desconhecidos.

Quereria isso dizer,
que fora do meu lado de dentro
poderiam existir lugares de fora,
de dimensão assinalável,
que eu não poderia observar da minha elementar janela inexistente.

Mas o meu entendimento é assim
e compraz-se a criar ausências onde elas não se manifestam.

Foi assim que um dia fiquei absurdamente perplexo
por não saber se estava ou não preso no meu lugar de dentro.

Como poderia eu ousar,
um voo no lado de fora,
sem me ferir,
sem perturbar o horizonte,
sem abandonar o conhecido conforto
que tinha paulatinamente resguardado?

Não ousei.
Fiquei para sempre aqui deste lado,
preocupado em que não se percebesse,
do lado de fora,
que o prisioneiro era eu.


Sísifo


publicado por prólogo às 23:14
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Março 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
25
26
27
28
29

30
31


posts recentes

Forma

Rasto

Eco

Conto

Adiamento

Vácuo

Longe

Surpresas

Ácido

Cansaço

arquivos

Março 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

tags

todas as tags

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds