A gravidade atrai os corpos
Terça-feira, 6 de Março de 2007
Importância

Há, nos gestos do dia a dia, um apelo muito forte ao esquecimento.

Enquanto se sobe a intransigente montanha, os pensamentos revesam-se até já não terem sentido.

O esforço de levar outra vez o pé para a frente do outro, esgota a sensibilidade e o entendimento.

É difícil que no topo ainda haja energia para fruir a paisagem.

Nada é comum quando os músculos se retesam para um último balanço.


Se eu tivesse um deus a que não chamasse acaso, di-lo-ia uma combinatória.

O meu olimpo tem uma fauna própria que não me aquieta.

Diverte-se a mitificar o número e a diversificar os caminhos.

Mesmo assim, o tédio é o patrono mais poderoso.

Acima do correr das nuvens já não mora a ameaça ou a salvação mas o vazio.


Nenhum acto é tão autêntico como o trabalho.

Quando queremos ser sérios e profundos dizemos que trabalhamos.

E é nesse gesto mágico e económico que se suportam os nossos sonhos.

A labuta como método de render homenagem à existência.

Culto do que não é oculto nem ficcional.


Nenhum passo é tão autêntico como o que não se deu ainda.

A energia potencial cresce enquanto as expectativas sobem aos lugares mais altos.

Há muito de irremediável na convivência com a solidão.

Diz-se a palavra e ela não chega a lugar audível.

Nem regressa.

Os sons atravessam o tempo como neutrinos.


Cada pensamento que se forma na escalada perde-se a seguir agarrado à gota de suor.

As melhores das intenções formam-se em nuvens de chuva ácida.

Neste olimpo não há nenhum deus a quem pedir clemência.

Não há também vontade de pedir, porque os que podem dar é porque roubaram.

O desequilíbrio equilibra os sentimentos.


Não fora a certeza de o poder poder não ser outra coisa que o acaso, e o ódio seria o atalho certo para a existência.

Não é aqui nesta montanha, mas é noutras em que se faz da vontade escravatura.

Lá em cima a vista é bonita.

Há muita beleza para escutar e sentir.

Mas antes disso há sempre um medo de perder qualquer coisa importante que não se sabe o que é...


Sísifo


tags:

publicado por prólogo às 14:51
link do post | comentar | favorito
|

1 comentário:
De a.ria.na@hotmail.com a 7 de Março de 2007 às 23:28
já tentei mas nunca consegui comentar-te...


Comentar post

mais sobre mim
pesquisar
 
Março 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
25
26
27
28
29

30
31


posts recentes

Forma

Rasto

Eco

Conto

Adiamento

Vácuo

Longe

Surpresas

Ácido

Cansaço

arquivos

Março 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

tags

todas as tags

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds