A gravidade atrai os corpos
Sexta-feira, 13 de Outubro de 2006
Pouco

Gosto de ser esta coisa pouca que não tem anseios de universo.

Parar por aqui, pelas curvas apertadas dos lugares sombrios, sem lamentos nem lágrimas, sem poder nem ambição.

Subir todas as manhãs a ladeira que leva ao tal lugar que nada tem.

Pousar o corpo à noite na escura tonalidade da enxerga sem que o sonho perturbe a mansidão do silêncio.


Gosto de pairar sobre a premonição das águas que dizem canções insignificantes.

Voltar alegre da minha dívida, sem temor de me perder em somas que não conheço.

Saltar imune sobre as chamas que dançam lúbricas à espera de gestos perdidos.


Gosto de vogar pela planície, cansado e ébrio, retendo o sono para sentir ao máximo a beleza.

Partir para cada viagem com o lastro apenas das imposições legais.

Sem perfumes nem medos, sem agasalhos nem vícios, sem preces nem sapatos.

Sentar-me à beira do caminho com o sol a pique e o suor a escorrer a pele.

Agarrar o rosto fresco da água que desce densa sobre a carne e a lava.


Gosto de ler nas folhas secas os pormenores do destino e jogar as cartas escritas pelo amor.

Vigiar de longe o prazer verdadeiro das crianças a brincar.

Procurar palavras que saibam dizer bem das coisas que ainda não existem.

Sentir o vento massajar o cabelo e arrefecer as preocupações e os sentimentos.


Gosto de ter este vazio das mãos como riqueza maior e usá-lo para me saciar.

Seguir ligeiro pelo caminho do meu acaso sem temer à frente o falcão da morte.

Entreter-me com o som dos passos a soletrarem ritmos sobre a calçada.

Olhar a noite mais escura à procura de sinais que sobrem da ofuscação do dia.


Gosto de acompanhar a pacífica resistência dos anos com gestos suaves e prudente entendimento.

Virar as páginas do caderno que comecei a escrever na infância.

Beber o café de aroma puro que traz de África o sabor e a excitação.

Antecipar o desejo e o gosto daqueles que conheço porque amo e que amo porque conheço.


Gosto de, no auge da subida, quando o esforço já ultrapassou o seu próprio limite, soltar, contra vontade, a esfera empedernida, e acompanhar a catástrofe da queda com o grito rouco que solta, enfim, do interior do corpo o milagre do reconhecimento.


Sísifo



publicado por prólogo às 23:23
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Março 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
25
26
27
28
29

30
31


posts recentes

Forma

Rasto

Eco

Conto

Adiamento

Vácuo

Longe

Surpresas

Ácido

Cansaço

arquivos

Março 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

tags

todas as tags

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds