A gravidade atrai os corpos
Segunda-feira, 11 de Setembro de 2006
Fumo

Do alto da montanha sobe um fumo negro.
Hoje é, outra vez, dia de iniciar uma caminhada esgotante.
O sol queima e as sombras recuam secas para longe dos trilhos.
Há fumo negro no topo da montanha.

Os mais justos, os que consomem calmamente a vida a muita distância da fronteira, cantam a virulência trágica das paixões.
Recolheram, em tempos, dados sobre a reabilitação do sagrado e prosperam agora entre orações e pecados ligeiros.
É muita a distância que os separa do fumo no topo da montanha.


Na primeira curva do trilho que me conduz à soberba vista, discutem, peões, a natureza negra do fumo no topo da montanha.
Sinais de fumo.
Erupção cinzenta.
Cachimbo da paz.


Não é credível a fama da ausência.
O que não está pereceu, com ou sem razão, sabendo ou não que perecia à espera do significado.
São inúmeras as interpretações e sobre elas se farão outras que terão a sua ocasião de sucesso.


Há em todos os caminhos obstáculos deixados ao acaso pelo destino.
Não chega a ser um pesadelo porque é apenas um sonho.
O desejo de classificar nasce na junção das primeiras células.
Só depois vêm os outros desejos.


Cada passo é mais difícil que o anterior por ser o que se sente agora, por ser o que não precisa da memória.
O que passou, passou, desceu de vez às entranhas da satisfação e esqueceu os passos em falso.
De nada serve a história das coisas quando a atenção se fixa no cansaço absurdo das pernas.


Hoje é, outra vez, dia de encaminhar o corpo para a sua vontade.
De o deixar ultrapassar a dor para consentir o desejo.
Hoje é, outra vez, dia de reconhecer no calor abúlico do sol a mancha escura que vive e mata.


Partem tranquilas as nuvens.
Sabem de longe a cor que acompanha a fuga.
Reconhecem à distância o apetite diagonal da fé.
E vão-se as nuvens do horizonte, ficando apenas o negro ameaçador do fumo.


Não há enganos possíveis no percurso.
Por todo o lado estão indicados os limites.
Sabemos sempre onde estão definidas as fronteiras.
Cada olhar esclarece à exaustão a cor perfeita para cada identidade.
Na profundidade do trajecto nada é deixado ao acaso.


Hoje é, outra vez, dia de chamar rotina ao desagrado e disponibilidade à dor.
Encaminham-se os sentidos e ignoram-se os impulsos.
Pede-se a cada segundo que passe indiferente à angústia e à necessidade.
O sol é quente de terror.


Desvia-se com frequência o trilho da intenção primeira.
Às vezes vou por aí, como se soubesse.
Às vezes imagino que podia não ser assim.
Quem sabe, um dia...


Sísifo



publicado por prólogo às 19:18
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Março 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
25
26
27
28
29

30
31


posts recentes

Forma

Rasto

Eco

Conto

Adiamento

Vácuo

Longe

Surpresas

Ácido

Cansaço

arquivos

Março 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

tags

todas as tags

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds